A minha vontade de ser putinha










A minha vontade de ser putinha de vários homens é muito grande. Vivo me fantasiando como eu seria gostosa se eu fosse uma mulherzinha, pois o corpinho lindo, todo depiladinho, bundinha lisinha, durinha, empinadinha, bronzeadinha com uma linda marquinha e um cuzinho apertadinho e guloso por cacete não é qualquer    sou  pedaço de mau caminho que sou e que enlouquece qualquer homem.
                       
EU   já estava sem mamar um pau (eu adoro mamar) e rebolar numa rola a uns quinze dias (uma eternidade….), decidi ir a um cinema de público gay e a pessoas chegadas. Eu estava disposta a dar para qualquer um e chupar rola até ficar com a boca dolorida.
Coloquei um shortinho branco super curto para realçar meu rabinho onde estava escrito na traseira: ”vagabunda e safada e no outro lado, cadela no cio”. Como a noite estava fria já fui de sutiã preto sob a blusa, pulseiras rosas com cristais no tornozelo e uma suave camada de batom rosa nos lábios e perfume feminino nos seios e na bundinha. Às 21 horas eu entrava no cine.Esperei que a vista se adaptasse ao escuro 
eu sempre fico em pé na última fila) de modo tal que aqueles que estavam encostados na parede pudessem admirar o meu rabo. Olhei para trás com aquele jeitinho de piranha me oferecendo para eles. Todos estavam de pau duro batendo punheta enquanto observavam meu rabo.
Para provocá-los ainda mais fiquei apenas de shortinho e sutiã, encostada na cadeira e forçando o rabo para trás para minha bunda ficar mais saliente e empinadinha.
O homem que estava à minha frente sentado na cadeira virou-se e começou a lamber minha barriga.Ele me lambia igual um cachorrinho. Posicionou-se melhor na cadeira e passou a beijar-me a barriga, enfiava a língua no meu umbigo que me deixava louca de tesão.Virava-me e continuava me lambendo, dando chupões, me mordendo toda. Fez-me inclinar e cravou a língua com gosto no meu cu com tanta força que eu conseguia segurar a língua dele dentro de meu rabo como se estivesse fodendo meu cu com a língua.
Chamava-me de putinha gostosa, de vagabunda, de piranha safada, biscatinha, cachorra, vadiazinha e eu rebolava ainda mais quando ouvia estes elogios. Mordia minha bunda e dava beijos e chupões. Chupou e mordeu meu rabo com tanta força que deixou marca. Colocou-me frente a ele – já estávamos em pé encostados na parede e então começou a chupar meus peitinhos; os biquinhos enrijeceram e ele começou a mamar igual uma criança faminta. Pedi para ele mamar com mais força, mais pressão como se estivesse com uma mamadeira na boca. Ele fez o que pedi. Eu fiquei louca. Ele mamava de uma maneira que todos ouviam o barulho da sucção que ele fazia com os lábios em meus peitos. Colocava tudo na boca que parecia querer arrancá-los. Meu pau parecia um pedaço de ferro de tão duro que ficou. Ele enquanto mamava alisava meu rabo, fodia meu cu com os dedos e sempre me chamando de putinha gostosa, de veadinho safado, de mulherzinha dele.
Beijava-me toda e foi descendo…descendo..já segurava meu pau. Colocou a cabeça do meu pau na boca e falou que era uma delícia, que eu tenho um pau gostoso demais (23 cm). Chupava, lambia, tentava engolir tudo maus não conseguia devido à grossura. A esta altura ele já estava de joelhos mamando no meu pau e eu em pé tomando no cu, pois enquanto ele estava mamando, havia outro chupando meu cu e preparando-o para ser arrombado.
O que fodia meu cu falou-me para gozar-mos juntos; ele encheria meu cu de porra e eu encheria de porra a boca daquele que mamava no meu cacete. Aceitei.
Ele me arrombou por uns dez minutos.Eu tomava no cu e ao mesmo tempo era deliciosamente mamada Disse que não agüentava mais, pois ele tinha um pau muito grande e grosso e que minhas pernas já doíam e eu estava prestes a esporrar na boquinha daquele que fazia do meu pau o picolé mais delicioso.
Ele falou: “goza pelo cu sua puta; vai vagabunda do caralho mexe este rabo para eu encher ele de porra cachorra; toma no cu putinha; é isso que você quer sua piranha, agora vai agüentar tudo, sua cadela. Vou encher seu cu de porra safada”
Ahhh… puta do caralho, estou gozando neste cu gostoso, sua vagabundazinha”. Quando ele disse isso eu não agüentei mais segurar. Esporrei tudo que pude na boca do safadinho. Gozei tanto na boca dele que enquanto ele chupava eu via a porra escorrer dos cantos de sua boca.Ele lambia tudo; deixou meu pau limpinho.Ele falou que nunca ninguém havia depositado tanta porra na boquinha dele, pois ele quase engasgou com os jatos que iam direto para sua garganta.
Como ele estava de pau duro, eu cai de boca e mamei com vontade. Ele queria gozar na minha bundinha e espalhar a porra sobre ela. Eu deixei.Abaixei mais o shortinho e ele esporrou jatos de porra quente no meu rabo. Dei um tempinho e queria mais. Quando a porra secou, fui para uma sauna.
Quando cheguei à sauna, a primeira coisa que fiz foi tomar um banho para limpar a porra que havia se impregnado no meu rabo e a que tinha escorrido do cu para as pernas.
Vesti uma calcinha pra lá de indecente onde estava escrito “puta no cio” e fui conhecer o local. Ah, eu dobro a toalha de modo tal que ela fique parecendo uma minissaia; deixo bem curtinha mostrando o meu rabinho para provocar ainda mais os homens.
Entrei na sauna a vapor e na seca secando o cacete dos caras. Sai e fui caminhando pelo corredor observando os quartos à direita e à esquerda. Passou um cara ao meu lado, à minha frente e seguiu a diante.Quando cheguei ao fim do corredor, ele passou novamente por mim e entrou no último quarto.Tirou a rola, olhou para mim…Eu entrei e cai de boca na vara dele.
Mamei igual puta sedenta por pica.Fiquei mamando no pau dele por uns vinte minutos e a porta estava aberta. Chegou um outro e ficou nos observando.Convidamos ele e eu passei a mamar dois cacetes ao mesmo tempo.Chupava, mordia, beijava, lambia, passava no rosto, babava.Fiquei de quatro para eles. Não quiseram comer meu rabo. Queriam gozar na minha boca.. os dois. Queriam ver-me com a boca cheia de porra. Aceitei. Fiquei de joelhos e comecei a mamar.A porta do quarto estava aberta, era o último quarto do corredor. Continuei a mamar no cacete deles por uns quinze minutos.Eu estava com a metade do pau de um deles na boca, deslizando a língua debaixo da cabeça da rola, quanto senti um jato quente de porra na garganta.Ele segurou meu rosto junto ao seu pau e falou: “continua sua puta vagabunda, vai engolir tudo seu veadinho, vai mostrar para todos aqui a putinha que você é; continua sua piranha, mama tudo. Sua boca está cheia de porra, mas continua mamando até meu pau ficar mole.Assimm, puta.Não engole ainda, nem cospe.Fica de lado para o pessoal assistir tudo.”Quando acabei de engolir tudo e deixar o pau limpinho ele se foi    //Fiquei  ali  pelo um instante ,e  sai  rapidamente    
 
Support : Copyright © 2015. erreoy griega - All Rights Reserved